terça-feira , 26 setembro 2017
Home / Notícias / Fepam critica projeto de fim de licenciamento na silvicultura: “vamos voltar ao caos do governo Yeda”

Fepam critica projeto de fim de licenciamento na silvicultura: “vamos voltar ao caos do governo Yeda”

Por Ramiro Furquim/Sul21Nilvo Alves da Silva, presidente da Fepam: “Proposta é um retrocesso e uma aventura que não mede as consequências ambientais, políticas e legais. Se aprovado, vamos voltar ao caos do governo Yeda na área ambiental”. (Foto: Ramiro Furquim/Sul21)

 

 

 

O presidente da Fundação Estadual de Proteção Ambiental, Nilvo Alves da Silva, criticou nesta segunda-feira (14), a proposta elaborada pela Câmara Setorial de Florestas Plantadas, criada no interior da Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, que propõe o fim da exigência de licenciamento ambiental para a atividade de silvicultura no Rio Grande do Sul. Falando ao Sul21, Nilvo da Silva classificou a proposta como um “retrocesso e uma aventura que não mede as consequências ambientais, políticas e legais”. “Vamos voltar ao caos do governo Yeda na área ambiental, com o surgimento de inúmeras disputas judiciais”, acrescentou o dirigente da Fepam.

Nilvo da Silva defendeu a manutenção da exigência do licenciamento e do Zoneamento Ambiental da Silvicultura, aprovado em 2008 pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente, após um intenso debate com a sociedade. O presidente da Fepam rebateu aqueles que dizem que o Rio Grande do Sul é o único Estado a ter licenciamento para a silvicultura. “Isso não é verdade. Santa Catarina, Rio de Janeiro e outros estados têm licenciamento. Eles têm formas diferentes, mas são licenciamentos. Estão atacando o licenciamento e o Zoneamento porque esses instrumentos estabelecem critérios e algumas restrições para o exercício da silvicultura. Não há concordância com a proposta da Secretaria da Agricultura que deveria estar trabalhando para incorporar o meio ambiente em suas agendas e não o contrário”, afirmou.

O presidente da Fepam considerou inadequado que um órgão de governo queira implementar uma proposta desta natureza atropelando um processo de debate com a sociedade que foi duramente construído desde 2005, quando iniciaram as discussões sobre o Zoneamento. Nilvo da Silva admitiu que há problemas relacionados ao trabalho dos pequenos produtores e defendeu a necessidade de adequações, mas não do fim do licenciamento. “O problema dos pequenos é verdadeiro. Os procedimentos de licenciamento para os pequenos e os grandes produtores são os mesmos, tanto do ponto de vistas dos critérios quanto dos custos. É preciso fazer uma diferenciação. Mas, para isso, não é preciso acabar com o licenciamento e com o zoneamento.

Nilvo recusou ainda a ideia defendida pelo atual Secretário da Agricultura, Claudio Fioreze, que o problema neste tema teria origem em um “equívoco conceitual de encarar a silvicultura como extração de florestas naturais”. “Não existe esse pressuposto conceitual equivocado. Todo mundo sabe que silvicultura é monocultura de árvores. A questão é que o zoneamento prevê algumas áreas que não devem ser utilizadas para esse tipo de atividade econômica, entre outras razões pela questão das reservas de água de cada região. Não podemos admitir a extinção de salvaguardas conquistadas há duras penas nos últimos anos”, enfatizou o presidente da fundação, criticando a proposta que está circulando há cerca de seis meses.

Ele também chamou a atenção para o fato de que cerca de dois terços da silvicultura do Rio Grande do Sul já está licenciada e regularizada. “Ao todo, cerca de 420 mil hectares já estão licenciados e outros 220 mil hectares estão em processo de licenciamento. Esse projeto é um contrassenso completo. Além disso, o zoneamento não é uma lei eterna e prevê a possibilidade de adequações e mudanças a cada cinco anos. A SEAPA (Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio) não está medindo as consequências. O Zoneamento é um patrimônio do Rio Grande do Sul e evita os conflitos que vivemos na época do governo Yeda”.

Segundo nota publicada na página da Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, uma proposta de projeto de lei foi construída após dois anos de debates na Câmara Setorial de Florestas Plantadas e entregue ao Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES). Conforme a mesma fonte, um grupo de trabalho coordenado pela Assessoria Superior do governador será encarregado de examinar a proposta, pactuar questões e enviar o projeto o mais breve possível para a Assembleia Legislativa. “Dentro do governo, ainda que com alguma divergência, existe entendimento claro de que a matéria-prima retirada de florestas plantadas é totalmente diferente de extrativismo”, diz a nota.

Segundo a Associação Gaúcha de Empresas Florestais (Ageflor), o Rio Grande do Sul seria o único Estado a exigir licenciamento ambiental para a silvicultura. Os demais trabalhariam com estudo e relatório de impacto ambiental (EIA/Rima) e situam a atividade como uma modalidade agrícola, coordenada pela Secretaria de Agricultura, e não pela de Meio Ambiente. Os empresários do setor querem que isso ocorra também no Rio Grande do Sul.  A direção da Fepam é frontalmente contrária à proposta.

Fonte: Sul21
Foto de capa: Agência Brasil

Além disso, verifique

Direito-Ambiental-thumb-88

TRF1 determina demolição de barragem construída irregularmente em área de preservação permanente na região da Serra da Canastra

“A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) determinou que a barragem ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *