segunda-feira , 21 outubro 2019
Home / Notícias / As inconstitucionalidades da compensação ambiental exigida para aterros sanitários no Rio Grande do Sul

As inconstitucionalidades da compensação ambiental exigida para aterros sanitários no Rio Grande do Sul

por Marcos Abreu Torres.

Aprovada em março de 2018, a Portaria nº 18 do órgão ambiental gaúcho (Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler – Fepam) dispõe sobre os critérios e diretrizes gerais, bem como orientação sobre os estudos ambientais e os procedimentos básicos a serem seguidos no âmbito do licenciamento ambiental de aterros sanitários.

Merece destaque o teor do seu art. 7º, por conter diversas inconstitucionalidades. Vejamos o que diz o dispositivo:

Art. 7º Será exigida a aplicação de recursos financeiros de 0,5% (cinco décimos percentuais) sobre os custos totais para a implantação do empreendimento de aterro sanitário, conforme dispõe o artigo 36 da Lei Federal nº 9.985, de 18 de julho de 2000, tanto na hipótese de empreendimento licenciado com fundamento em Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental – EIA/RIMA, quanto em Relatório Ambiental Simplificado – RAS.

A primeira inconstitucionalidade diz respeito ao percentual fixo de 0,5. Na ADI nº 3.378, proposta pela CNI, em face do art. 36, caput e § 1º, da Lei 9.985/2000, o STF julgou o pedido parcialmente procedente, declarando a constitucionalidade da compensação ambiental prevista no SNUC. O acórdão da decisão estabeleceu que “compete ao órgão licenciador fixar o quantum da compensação, de acordo com a compostura do impacto ambiental a ser dimensionado no relatório – EIA/RIMA“, e que “o valor da compensação-compartilhamento é de ser fixado proporcionalmente ao impacto ambiental, após estudo em que se assegurem o contraditório e a ampla defesa“.

Isto é, não há de ser um valor fixo, pois deverá ser proporcional ao impacto identificado no estudo. Conclui-se, portanto, que a alíquota fixa de 0,5% definida pela norma gaúcha contraria aquilo que já foi decidido pelo STF.

A segunda inconstitucionalidade identificada diz respeito aos casos em que a compensação ambiental será exigida pelo órgão licenciador. Enquanto a norma geral sobre o tema (art. 36 do SNUC) limita a exigência da compensação ambiental aos “casos de licenciamento ambiental de empreendimentos de significativo impacto ambiental”, isto é, aos casos sujeitos à elaboração de EIA/Rima, a norma estadual vai além e inclui também na obrigação os casos sujeitos à elaboração de Relatório Ambiental Simplificado (RAS).

Ou seja, no Estado do Rio Grande do Sul a compensação ambiental poderá ser exigida para aterros sanitários que não sejam considerados causadores de significativo impacto ao meio ambiente. Tal exigência é incompatível com o art. 36 do SNUC e com as regras de competência legislativa concorrente previstas no art. 24 e parágrafos da Constituição Federal.

Por fim, a terceira inconstitucionalidade que vislumbramos na Portaria nº 18/2018 da Fepam pertine à base de cálculo para definição do quantum devido à compensação ambiental. Pela norma estadual, o percentual será calculado considerando “os custos totais para a implantação do empreendimento de aterro sanitário“.

Ocorre que a norma geral sobre o assunto estabelece que o valor da compensação ambiental será calculado considerando “exclusivamente, os impactos ambientais negativos sobre o meio ambiente” (art. 31, caput, do Decreto nº 4.340/2002, com a redação dada pelo Decreto nº 6.848/2009 em virtude da decisão do STF na ADI nº 3.378).

Ademais, o § 3º do mesmo artigo do Decreto exclui do cálculo da compensação ambiental “os investimentos referentes aos planos, projetos e programas exigidos no procedimento de licenciamento ambiental para mitigação de impactos, bem como os encargos e custos incidentes sobre o financiamento do empreendimento, inclusive os relativos às garantias, e os custos com apólices e prêmios de seguros pessoais e reais.”

Isto é, a norma geral sobre o tema estabelece que o valor da compensação ambiental não será calculado sobre “os custos totais para a implantação do empreendimento“, e ainda permite que algumas deduções sejam feitas, enquanto a norma estadual vai no sentido contrário.

Vale mencionar que a regulação acerca da compensação ambiental conferida pelo Decreto nº 6.848/2009 possui status de norma geral para os fins do disposto no art. 24, § 1º, da Constituição Federal, devendo ser seguida uniformemente por todos os entes da Federação. O STF já se manifestou de forma análoga, conferindo status de norma geral a uma norma infralegal, a exemplo do que ocorreu na ADI nº 3.645.

Diante do exposto, o art. 7º da Portaria nº 18/2018 da Fepam viola a decisão do STF na ADI nº 3.378, bem como o art. 24 da Constituição Federal.

marcos – Copia
Marcos Abreu Torres – Advogado, Mestre em Constituição e Sociedade pelo IDP e autor do livro “Conflito de normas ambientais na federação”. É membro da União Brasileira da Advocacia Ambiental – UBAA.

Além disso, verifique

direito-ambiental-thumb-42

É possível alterar a titularidade de licenças e processos de licenciamento ambiental?

por Alexandre Victor Abreu. O licenciamento ambiental é o instrumento estabelecido pela Política Nacional de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *