terça-feira , 26 setembro 2017
Home / Artigos jurídicos / Breves considerações acerca do recente acórdão 1432/2017 do TCU, publicado dia 10/7/2017

Breves considerações acerca do recente acórdão 1432/2017 do TCU, publicado dia 10/7/2017

Por Margareth Michels Bilhalva.

Em recente decisão inédita contida no Acórdão 1432/2017 na Tomada de Contas 014.401/2015-0, que buscava aferir, em razão de auditoria aplicada na Petrobras, a aplicação de sanções pecuniárias pelo IBAMA, no período de 2012 a 2014, decidiu:

“9.1 recomendar ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – Ibama, ao Ministério de Minas e Energia (MME), ao Ministério do Meio Ambiente (MMA) e à Petrobras que avaliem a conveniência e a oportunidade de analisar, discutir a eficácia ou rever dispositivos da Resolução Conama 393/2007, notadamente seus arts. 5º, 6º, 10 e 15, com vistas a torná-la exequível por parte das unidades de produção de petróleo e gás offshore que não podem realizar o método gravimétrico para medição do teor de óleo e graxa especificado (limites diários e mensais previstos no caput do art. 5º da referida norma) antes do descarte de efluentes ao mar, já que este método somente pode ser realizado em laboratório localizado em terra;

9.2. determinar à SecexAmbiental que constitua processo apartado com o fim de aprofundar as análises a respeito da responsabilidade administrativa por infrações ambientais, nos termos da Lei 9.605/1998, art. 72, § 3º, e do Decreto 6.514/2008, art. 3°, § 2°;

9.3. arquivar os presentes autos”.

A origem do problema está na Resolução CONAMA 393/2007 que estabelece para as plataformas marítimas de produção, situadas a mais de 12 milhas da costa, os limites máximos de concentração de teor de óleos e graxas (TOG) nos efluentes (média mensal até 29 mg/L e máximo diário de 42 mg/L), os quais devem ser monitorados e determinados pelo método gravimétrico.

Acontece que o método gravimétrico, cuja metodologia sequer existe no país em regras da ABNT ou outras, é totalmente ineficaz para realizar-se gestão ambiental da produção, haja vista que seu resultado é obtido, em média, de 3 a 4 semanas depois de sua coleta. Além disso, é feito um esforço logístico colossal de realização de 4 coletas de amostras diárias e seu transporte, via helicóptero, de todas as unidades. Assim, estamos falando em média em cerca de 4 mil análises químicas, pelo menos.

Dessa forma, gasta-se muito dinheiro – de forma desnecessária – para se realizado um controle “cartorial” da performance das plataformas, cujo processo de produção somente poderia ser ajustado, se utilizássemos os critérios da Resolução CONAMA 393/2007, cerca de um mês depois.

Por outro lado, existem hoje métodos eficazes que podem ser realizados a bordo de Unidades de Produção de Petróleo off shore como o método espectofométrico e que, produz, a exemplo de outros, método tempestivo na identificação de eventual falha na planta de produção e permite a correção imediata no descarte contínuo de água de produção, viabilizando um agir de forma preventiva e, especialmente eficaz, para o controle da água lançada no mar.

Em vez do IBAMA preocupar-se com a efetiva gestão do processo de produção, se restringe ao recebimento das comunicações dos resultados e a lavratura de autos de infração, com valores elevadíssimos. No entanto, o próprio IBAMA tem plena consciência das limitações tecnológicas e de espaço físico dentro de uma planta de processo de produção de petróleo off shore e, mesmo assim, se restringe a aplicar as multas elevadíssimas em face da Petrobras.

Aliás, registre-se, por oportuno, que em lugar nenhum no mundo há lavratura de autos de infração administrativa por essas eventuais não-conformidades de processo (que são absolutamente raras, pois existe uma eficácia de mais de 99% nos descartes de água de produção da Petrobras, mas que são ínsitas eventualmente ao processo) em outros países.

Veja-se que ainda que se ultrapasse eventualmente o valor máximo de TOG na água de produção não há como haver o eventual desenquadramento além da zona de mistura, onde é permitida a superação dos valores.

Se o país quer ser competitivo e ter um controle eficaz do meio ambiente, de nada adianta a imputação de severas e elevadas multas para alterações que independem da conduta do operador da Unidade de Produção e que não trazem, objetivamente, nenhum prejuízo ao meio ambiente e, o mais importante, não oportunizam o gerenciamento ambiental da plataforma de petróleo.

Com efeito, a recente decisão do TCU acima referida surpreende positivamente, pois tem por finalidade que sejam adotadas normas para gerenciamento da produção eficazes, com a adoção de metodologias que possam viabilizar os ajustes na planta de processo que se façam necessários.

Nessa linha de ideias, nada mais correto que se recomende ao IBAMA e demais órgãos que procederam finalmente a correção estatística entre métodos, como os necessários os ajustes dos valores de descartes (pois métodos diferentes encontram para o mesmo efluente valores diversos), com a consequente revisão da Resolução CONAMA 393/2007, a fim de que não se gaste tanto dinheiro para uma finalidade puramente cartorária (pois, como dito, o resultado somente é conhecido entre 3 a 4 semanas após a coleta).

Assim, se quem estiver na operação tiver legitimado o método que permita que ele verifique na hora do descarte o ajuste ou não aos parâmetros estabelecidos, viabilizará até a eventual parada da Unidade de Produção ou a imediata correção do processo de produção, oportunizando-se assim um gerenciamento e uma gestão de tudo o que é descartado. Por óbvio, este gerenciamento não é viável no tempo necessário quando o resultado das análises somente será conhecido muito tempo depois.

Em outras tintas, é totalmente desnecessário e não colabora com o meio ambiente a manutenção de mais de um método para controle de TOG no efluente denominado água de produção, especialmente, quando o que é válido, somente será conhecido muito tempo depois.

Outro ponto de grande interesse para a comunidade jurídica em geral é que o TCU ordena a abertura de uma auditoria para tomada de contas em apartado  do IBAMA para verificação do sistema de apuração de responsabilidade administrativa, considerando-se as recentes decisões do STJ sobre a matéria, como por exemplo o AgRg no REsp 62.584 e o artigo 72, § 3º da Lei 9.605/98 que estabelecem o sistema SUBJETIVO e não objetivo (que existe apenas para responsabilidade civil, em razão do seu núcleo ser o dano). Veja-se que há total adequação da decisão do TCU que captou o correto entendimento de que a responsabilidade administrativa ambiental é subjetiva, pois tem como foco a conduta (e não o resultado), conforme o “caput” do art. 70 da Lei 9.605/98.

Sem dúvida esta decisão é um marco histórico e inclusive causa espécie positivamente um acórdão tão técnico para uma matéria tão especial. Agora é aguardar os próximos desfechos e consequências do julgado.

* Margareth Michels Bilhalva é Mestre em Direito Público, Especialista em Direito Ambiental pela UFRGS e PUC/RJ. Advogada, Consultora Jurídica da Petrobras.

Direito Ambiental

Veja também:

– Responsabilidade administrativa ambiental é subjetiva, reafirma a 1ª Turma do STJ (Portal DireitoAmbiental.com, 08/10/2015)

– Publicado o IX Plano Setorial para os Recursos do Mar – por Margareth Michels Bilhalva (Portal DireitoAmbiental.com, 23/11/2016)

– Limites da responsabilidade ambiental objetiva – por Paulo de Bessa Antunes (Portal DireitoAmbiental.com, 07/12/2016)

Além disso, verifique

Direito-Ambiental-thumb-88

TRF1 determina demolição de barragem construída irregularmente em área de preservação permanente na região da Serra da Canastra

“A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) determinou que a barragem ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *