quarta-feira , 6 julho 2022
Home / Artigos jurídicos / Pagar para preservar?

Pagar para preservar?

por Marcia Silva Stanton.

 

Uma discussão, até então restrita à um círculo de especialistas, ganhou destaque  nacional com a declaração da futura Ministra da Agricultura à Folha de São Paulo de que estuda premiar o produtor rural que cumprir a lei de preservação ambiental[1]. O anúncio gera questionamentos do tipo: É justo impor o ônus da conservação exclusivamente aos proprietários rurais quando toda a sociedade dela se beneficia? É justo remunerar quem não preservou em detrimento de quem preservou?

No âmbito de aplicação da política de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) esta discussão é antiga e polêmica. Antes de referir a discussão, convém definir o PSA como uma política ambiental que oferece um incentivo a todo aquele que protege, recupera ou incrementa a provisão de um serviço ecossistêmico, prestando um serviço ambiental.

Na doutrina internacional, muito se discute a respeito da possibilidade de se oferecer uma premiação para o cumprimento de obrigações estipuladas em lei, como é o caso da preservação de espaços especialmente protegidos. Os críticos à ideia alegam que ela oferece subsídios perversos e tem impacto negativo na conservação feita por razões éticas[2]. Os seus defensores argumentam que esta premiação implica justamente num reconhecimento da prática conservacionista adotada e um incentivo à sua manutenção, prevenindo uma mudança do uso do solo[3].

No Brasil, o Código Florestal editado em 2012 admite o uso de PSA para atividades de conservação dos ecossistemas e, expressamente, autoriza o pagamento pela manutenção das Áreas de Preservação Permanente, Reserva Legal e uso restrito (art. 41, I, “h” da Lei nº 12.651/2012).  Vários programas estaduais em funcionamento também remuneram produtores rurais pela preservação ou recuperação da APP, associada com outras práticas conservacionistas. Ao mesmo tempo, no Projeto de Lei nº 5.487/2009 que pretende instituir a Política e o Programa Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais, tramitando há vários anos no Congresso Nacional, não há consenso sobre esta questão e tais pagamentos sofrem duras críticas de alguns segmentos.

A preservação de espaços protegidos é considerada uma limitação ao direito de propriedade, decorrente de sua função social. Entretanto, o proprietário rural se sente penalizado pelo fato de que gera um enorme benefício social com esta preservação sem nenhuma contrapartida por parte de quem dela se beneficia, ou seja, toda a sociedade. No caso da Reserva Legal, esse sentimento é ainda maior pois ele representa uma limitação que pode chegar a 80% da propriedade.

Especialistas em Pagamento por Serviços Ambientais afirmam que o incentivo é uma excelente ferramenta para induzir uma mudança de comportamento quando existe uma forte oposição política. Também afirmam que a existência de uma regra de comando e controle que impõe o dever de preservação não impede a aplicação adicional de um instrumento econômico para facilitar o cumprimento da regra e obter um melhor resultado, agregando práticas conservacionistas adicionais.

O tema é complexo e precisamos definir se o mesmo deve ser enfrentado no campo da ética, da moralidade ou do pragmatismo. É chegado o momento da sociedade debater a divisão de custos e benefícios com seriedade, base científica e objetivos bem definidos.

Notas:

[1] Bilenky, Tais. “Futura Ministra da Agricultura quer premiar ruralista que cumprir a lei”. Folha de São Paulo [on-line] , 06 dez. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/12/futura-ministra-da-agricultura-quer-premiar-ruralista-cumprir-a-lei.shtml>Acesso em: 10 dez 2018.

[2] SALZMAN, James. Creating markets for ecosystem services: notes from the field. 80 NYUL Rev. v. 870, 2005.

[3] STANTON, Marcia; TEJEIRO, Guillermo. Sistemas Estaduais de Pagamento por Serviços Ambientais: Diagnóstico, lições aprendidas e desafios para a futura legislação. São Paulo: Instituto o Direito por um Planeta Verde, 2014

stanton
Márcia Stanton – Advogada e consultora na área agroambiental. LLM em Direito Ambiental pela Pace EH School of Law. Membro da União Brasileira da Advocacia Ambiental – UBAA.

Antes de referir a discussão, convém definir o PSA como uma política ambiental que oferece um incentivo a todo aquele que protege, recupera ou incrementa a provisão de um serviço ecossistêmico, prestando um serviço ambiental.

 

Além disso, verifique

Município tem 120 dias para implantar programa de moradia em ocupação irregular

“O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) manteve sentença que condenou o Município de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *