quinta-feira , 23 maio 2024
Home / Artigos jurídicos / Contratos imobiliários e energias renováveis

Contratos imobiliários e energias renováveis

por Evaldo Martins.

Nosso país passa por uma “transição energética”, dada a crescente utilização de energia eólica e solar em substituição as fontes tradicionais. O Piauí, nesse aspecto, tem se destacado, pois ocupa o quinto lugar entre os maiores produtores de energia eólica do Brasil. Além disso, com a construção do “Complexo Eólico Lagoa dos Ventos”, nos municípios de Lagoa do Barro, Queimada Nova e Dom Inocêncio, o estado terá o maior parque eólico da América Latina.

Assim, é notório o progresso econômico e o desenvolvimento social proporcionado pela exploração de energia renovável na caatinga, seja pela geração de empregos diretos e indiretos, seja pelo aumento do preço da terra em regiões antes pouco valorizadas, o que tem potencializado uma movimentação do mercado imobiliário no semiárido.

Sobre formalização dos contratos imobiliários nesse setor, via de regra as empresas que investem nesse ramo não adquirem a propriedade dos imóveis onde haverá a instalação dos aerogeradores, mas tão somente o direito de uso para essa exploração, que se dá, principalmente, através de contratos de direito de superfície ou de locação.

Um ponto que merece destaque nesses ajustes é o tempo para realização de estudos antes do início da operação desses empreendimentos, quase sempre superior a um ano. O que se vê, na prática, são cláusulas que estipulam a não remuneração pelo uso da propriedade durante essa etapa, o que traz consequentemente pouca vantajosidade para os proprietários. Logo, na análise contratual deve-se buscar uma remuneração mensal durante esse ínterim, baseada no hectare ocupado pelo possível locatário ou superficiário.

Outra questão que também tem gerado dúvidas é a prefixação da porcentagem devida ao proprietário sobre o lucro obtido com a operação dos parques eólico-solares. Isso porque, nesses contratos é comum se utilizar cláusulas de confidencialidade, fato que dificulta sua divulgação e acesso até para que se faça um “comparativo” do que comumente está sendo estipulado em outros ajustes do mesmo teor, sem contar que tal referência variável expõe o risco do empreendimento ao proprietário, sendo prudente refletir sobre essa vulnerabilidade conforme a conjuntura comercial, econômica e tributária.

Destaca-se a necessidade de previsão de um reajuste contratual, haja vista que a duração desses tipos de contrato é geralmente extensa e tal providência resguarda os interesses econômicos do proprietário diante de perdas inflacionárias.

Pelo exposto, conclui-se que, embora haja um crescimento expressivo da utilização de energias eólica e solar, os custos na instalação dos empreendimentos ainda são altos, circunstância que necessita de maiores investimentos tecnológicos e incentivos econômico-fiscais por parte do Estado, para que esse ramo energético se torne cada vez mais atrativo.

 

Referência Bibliográfica

 

Energia. Ambiente. Custo menor vai incentivar energia solar e eólica. Disponível em: <https://www.ambienteenergia.com.br/index.php/2019/05/custo-menor-vai-incentivar-energia-solar-e-eolica/36137>.

Os Contratos Imobiliários para Geração de Energia Eólica/Solar e seus Aspectos Econômicos para o Empreendedor. Disponível em: <http://almeidaealmeida.com/os-contratos-imobiliarios-para-geracao-de-energia-eolicasolar-e-seus-aspectos-economicos-para-o-empreendedor/>.

Verde. Cidade. Maior parque eólico em construção na América do Sul está no Piauí. Disponível em: <https://cidadeverde.com/noticias/308326/maior-parque-eolico-em-construcao-na-america-do-sul-esta-no-piaui>.

Evaldo Martins – Presidente da Comissão de Direito Agrário e Agronegócios da OAB-PI, Graduado pelo Instituto de Ciências Jurídicas e Sociais Professor Camilo Filho, Pós-graduado em Direito Civil e Empresarial, Pós-graduado em Direito Eleitoral, Pós-graduado em Direito Negocial e Imobiliário com ênfase em Direito Agrário e Agronegócio, Mestrando em Resolução de Conflitos e Mediação. e-mail: [email protected].

Direito Ambiental

Veja também:

Brasil pode ter uma capacidade seis vezes maior de produzir energia eólica do que o estimado

Energia eólica: Rio Grande do Sul terá primeira usina eólica

Estudo demonstra que energias renováveis são mais baratas que gás e carvão

Novas regras da Aneel vão permitir que consumidor produza e troque energia elétrica com a distribuidora local

Além disso, verifique

Declaremos um Estado de Reconstrução após as enchentes no Rio Grande do Sul

Declaremos um Estado de Reconstrução após as enchentes no Rio Grande do Sul

Por Maurício Fernandes Contribuições para uma agenda ambiental de reconstrução “Cada um ajuda como pode” …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *