terça-feira , 26 setembro 2017
Home / Notícias / Justiça dá prazo para que esgoto não seja lançado em rios

Justiça dá prazo para que esgoto não seja lançado em rios

A Justiça de São Paulo determinou que a prefeitura de Mogi das Cruzes, a empresa de abastecimento de água da cidade (Semae) e a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) adotem, em até 90 dias, medidas destinadas a impedir o lançamento de esgoto sem tratamento em qualquer curso d’água do município. Se o prazo for descumprido, cada parte está sujeita a multa de R$ 100 mil.

De acordo com o juiz Bruno Machado Miano, da Vara da Fazenda Pública de Mogi das Cruzes, “o problema trazido por esta ação é dos mais urgentes em nossas sociedades industrializadas. Afeta a qualidade de vida nos grandes centros urbanos. Envolve um grande número de atores políticos e sociais. Traduz na necessidade do comportamento comissivo de todos, pois a omissão de apenas um já provoca desdobramentos numa cadeia causal infinda. Demais disso, o Meio Ambiente Saudável não é utopia, um princípio desprovido de conteúdo útil, um valor inalcançável. É um direito”.

A ação foi ajuizada pelo Ministério Público em razão da degradação ambiental provocada por omissão. De acordo com a acusação, a prefeitura de Mogi das Cruzes, o Semae e a Sabesp não tratam o esgoto e permitem seu lançamento em nascentes e rios. De acordo com o processo, a Promotoria acompanha o caso desde 2002 e Cetesb (companhia ambiental de SP) tem feito inspeções e vistorias, multando o Semae por sua atuação

Segundo consta no processo, desde o ano de 2002 o Ministério Público tem acompanhado a situação do lançamento de esgoto não tratado nos cursos de água de Mogi das Cruzes e a Cetesb tem realizado inspeções e vistorias, autuando o Semae por sua atuação.

O juiz acrescenta que o município e a Semae apenas repetem as alegações de que o problema estaria resolvido em alguns anos. Porém, o prazo que já foi fixado em 2011 e depois alterado para 2012, foi agora estendido pelo governo municipal para 2030. “Não cabe mais procrastinação, sendo imperioso que as rés adotem, em 90 dias, medidas a obstar o lançamento de esgoto sem tratamento em qualquer curso d’água do município de Mogi das Cruzes, e concluído o prazo, incidirá multa de R$ 100 mil, a cada um dos réus, em caso de descumprimento”. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-SP.

1002879-93.2013.8.26.0361

fonte:Revista Consultor Jurídico, 10 de junho de 2013

Além disso, verifique

Direito-Ambiental-thumb-88

TRF1 determina demolição de barragem construída irregularmente em área de preservação permanente na região da Serra da Canastra

“A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) determinou que a barragem ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *