terça-feira , 26 setembro 2017
Home / Notícias / Etanol e captura de gás carbônico dividem cientistas e políticos

Etanol e captura de gás carbônico dividem cientistas e políticos

Por Andrei Netto

O uso imagesde e outros biocombustíveis e a adoção de técnicas de captura de gás carbônico da atmosfera dividem cientistas e delegados governamentais do Painel de Mudanças Climáticas das Nações Unidas (IPCC), reunidos em Berlim. O rascunho do documento que vem sendo discutido nesta semana prega as duas alternativas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e, com isso, tentar limitar o aumento da temperatura média da Terra a 2 ̊C até 2100.

Os biocombustíveis – tema que interessa ao Brasil – e a captura de carbono se tornaram dois dos pontos de divergências do relatório. Em Berlim, a comunidade científica e os delegados governamentais buscam o consenso sobre as medidas a serem adotadas – a trajetória das emissões indica um aumento da temperatura de 4 ̊C em relação ao período pré-industrial.

Além da produção de etanol e da adoção de biocombustíveis, o documento menciona as tecnologias de geoengenharia, voltadas à captura de dióxido de carbono (CO2). O rascunho do relatório do IPCC prega o uso de biomassa – com posto de matérias orgânicas de origem vegetal – para produção de eletricidade e para captura e estocagem de CO2 (Biomass energy with carbon capture and storage, BECCS, na sigla em inglês).

O documento em discussão indica que a técnica tem potencial para extrair da atmosfera um total de 10 bilhões de toneladas de CO2 por ano, um total semelhante às emissões da China. A tecnologia, no entanto, tem alto custo, exigiria “implementação de larga escala” para ter impacto real e ainda é experimental, com custos e riscos sujeitos a “grandes incertezas científicas”.

As menções no rascunho do relatório do Grupo de Trabalho 3, sobre mitigação dos efeitos das mudanças climáticas, ainda podem ser suprimidas até o fim de semana, quando o documento final deve ser entregue. Delegados de países como China, Japão e Rússia, além da União Europeia, estariam impondo obstáculos ao tema.

Evolução – Questionado pelo Estado às vésperas da reunião plenária de experts, o climatologista belga Jean-Pascal van Ypersele, vice-coordenador do IPCC, não aceitou comentar sobre biocombustíveis e captura de carbono. “As reuniões plenárias são sempre difíceis. Entre os grupos de trabalho 1, 2 e 3 há uma espécie de evolução em termos de dificuldade, porque o primeiro é muito científico, o segundo já toca mais na vida cotidiana e o terceiro é bem mais político”, explicou.

O documento final do Grupo de Trabalho 3 é a última etapa antes do relatório-síntese do IPCC, que será apresentado em outubro, em Copenhague.

Fonte: O Estado de S. Paulo
Imagem: Valor Econômico/Reprodução

Além disso, verifique

Direito-Ambiental-thumb-88

TRF1 determina demolição de barragem construída irregularmente em área de preservação permanente na região da Serra da Canastra

“A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) determinou que a barragem ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *