quarta-feira , 6 julho 2022
Home / Legislação / Lei de Crimes Ambientais: proposta pretende criminalizar a poluição sonora

Lei de Crimes Ambientais: proposta pretende criminalizar a poluição sonora

“A Comissão de Desenvolvimento Urbano aprovou na quarta-feira (8) projeto do deputado Veneziano Vital do Rêgo (PMDB-PB) que considera crime ambiental a produção de sons, ruídos ou vibrações acima do permitido em lei ou regulamento, prejudicando a qualidade ambiental (PL 3588/15).

A pena proposta pelo autor é de detençãode três meses a um ano, além de multa. O projeto altera a Lei de Crimes Ambientais (9.605/98).

O texto recebeu parecer favorável do relator na comissão, deputado Tenente Lúcio (PSB-MG). Ele optou por rejeitar os quatro projetos que tramitam apensados ao texto de Vital do Rêgo (PLs 4041/15, 4025/15, 4031/15 e 4203/15). Em comum, estas propostas procuram penalizar a poluição sonora propondo novos dispositivos na Lei das Contravenções Penais (Decreto-lei3.688/41).

Para o relator, essa medida é “inoportuna”. Ele concordou com Vital do Rêgo de que a Lei de Crimes Ambientais é o documento correto para tratar do assunto.

Tramitação
O PL 3588 será analisado agora nas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; e Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, segue para o Plenário da Câmara”.

Fonte: Agência Câmara de Notícias (Reportagem – Janary Júnior/ Edição – Natalia Doederlein, 10/06/2016)

Direito Ambiental - proposta criminalizar a poluição sonora

Conheça a íntegra do referido parecer na proposta do PL-3588/2015:

PROJETO DE LEI No 3.588, DE 2015

(Apensos: Projetos de Lei 4.041/2015, 4.025/2015, 4.031/2015 e 4.203/2015)

Tipifica o crime de perturbação da qualidade ambiental por poluição sonora.

Autor: Deputado Veneziano Vital do Rêgo

Relator: Deputado Tenente Lúcio

I – RELATÓRIO

O Projeto de Lei 3.588/2015, de autoria do Deputado Veneziano Vital do Rêgo, acrescenta dispositivo à Lei 9.605/1998, que “dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências”, buscando tipificar o crime de perturbação da qualidade ambiental por poluição sonora.

A proposição estabelece como crime a produção de sons, ruídos ou vibrações em desacordo com leis ou regulamentos, e estabelece pena de detenção, de três meses a um ano, e multa.

Após receber parecer pela aprovação nesta comissão, apensaram-se quatro projetos de lei apresentados pelo Deputado Marcelo Belinati em dezembro de 2015, e todos acrescentando parágrafo único ao art. 42 do Decreto-Lei 3.688/1941 (Lei das Contravenções Penais).

O Projeto de Lei 4.025/2015, penaliza a utilização de sinalizadores sonoros de marcha a ré, nos casos em que a emissão de ruído desobedecer aos níveis previstos em normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Por sua vez, o Projeto de Lei 4.031/2015 proíbe a utilização de sirenes, campainhas ou similares para indicar o início, intervalo ou final de expediente, quando o ruído ultrapassar os limites da edificação onde estiver instalado o equipamento. O Projeto de Lei 4.041/2015, explicita, como perturbação ao trabalho ou sossego alheio, a utilização de alarmes sonoros de segurança em imóveis, quando esses emitirem sinal contínuo ou intermitente por mais de dez minutos. Por fim, o Projeto de Lei 4.203/2015 estabelece o limite de 80 decibéis para a utilização de equipamentos de som automotivo.

Os projetos foram distribuídos às comissões de Desenvolvimento Urbano, de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e de Constituição e Justiça e de Cidadania, sujeita à apreciação do Plenário, em regime de tramitação ordinário, e sujeitos à apreciação em Plenário (por tratarem de matéria penal).

II – VOTO DO RELATOR

O autor propõe, como alteração na Lei de Crimes Ambientais, artigo em termos semelhantes ao dispositivo vetado, em 1998, quando da sanção da Lei 9.605/1998. Ao receber a redação final do Projeto de Lei 1.164/1991, a Presidência da República julgou por bem vetar o artigo 59, que assim dispunha:

Art. 59. Produzir sons, ruídos ou vibrações em desacordo com as prescrições legais ou regulamentares, ou desrespeitando as normas sobre emissão e imissão de ruídos e vibrações resultantes de quaisquer atividades:

Pena – detenção, de três meses a um ano, e multa.

O veto considerou que o bem juridicamente tutelado é a qualidade ambiental, e que os casos de poluição sonora são melhor tutelados pelo Decreto-Lei 3.688/1941, Lei das Contravenções Penais, cujo artigo 42 prevê punições nos casos de perturbação do sossego alheio. Parece-nos, no entanto, perfeitamente adequado tratar de poluição sonora na Seção III – Da Poluição e outros Crimes Ambientais, constante na Lei 9.605/1998. As razões do veto não são convincentes, pois todos os artigos da Seção III tratam de impactos sobre a qualidade ambiental, e a Lei das Contravenções Penais é arcaica em relação ao repertório de normas vigentes hoje:

Art. 42. Perturbar alguém o trabalho ou o sossego alheios:

I – com gritaria ou algazarra;

II – exercendo profissão incômoda ou ruidosa, em desacordo com as prescrições legais;

III – abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos;

IV – provocando ou não procurando impedir barulho produzido por animal de que tem a guarda:

Pena – prisão simples, de quinze dias a três meses, ou multa, de duzentos mil réis a dois contos de réis.

Os níveis de ruídos aceitáveis constam em resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e em normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), além da legislação local em alguns municípios. Esses atos fornecem a base para regrar o que seria poluição sonora, e entendemos que a própria Lei 9.605/1998 deve estabelecer sanções e não o Decreto-Lei 3.688/1941.

Por esse mesmo motivo, também nos parece inoportuna a proposta de inserir mais dispositivos na Lei de Contravenções Penais, como intentam os quatro projetos de lei apensados.

Pelas razões expostas, votamos pela rejeição dos Projetos de 4.025/2015, 4.031/2015, Lei 4.041/2015 e 4.203/2015, e pela aprovação do Projeto de Lei 3.588/2015, corrigindo uma importante lacuna na Lei 9.605/1998.

Sala da Comissão, em de de 2016.

Deputado TENENTE LÚCIO

Relator

Além disso, verifique

Município tem 120 dias para implantar programa de moradia em ocupação irregular

“O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) manteve sentença que condenou o Município de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *