segunda-feira , 4 julho 2022
Home / Notícias / Lavoura de arroz poupa 40% de água com técnica aprimorada

Lavoura de arroz poupa 40% de água com técnica aprimorada

Boa prática em Nova Santa Rita (RS), com aproveitamento
da chuva, é um exemplo para o Dia Mundial da Água

 

Nova Santa Rita – Ao aprimorar uma técnica que aprendeu quando produzia em áreas secas, o arrozeiro João Hanus, de Nova Santa Rita (RS), hoje utiliza 40% menos água em comparação com uma lavoura convencional. A boa prática do produtor da Grande Porto Alegre é um exemplo para o Dia da Água, que em 22 de março lembra a população mundial da importância de preservar esse recurso da natureza.

Hanus, em sua lavoura na Granja Nenê, a cerca de 30 quilômetros da Capital, combina o sistema de arroz pré-germinado com um manejo que aproveita as características dasestações, como se trabalhasse em parceria com o clima. O solo começa a ser preparado em julho e agosto porque são meses chuvosos no Rio Grande do Sul. A água vinda do céu encontra um terreno nivelado, dividido em quadros, como tanques rasos, e ali se acomoda, para germinar as sementes. “Ao escolher essa época do ano para o plantio e antecipar a preparação do terreno, poupo o rio e diminuo os custos com a irrigação”, conta.

A água também é preservada pelo fato de que a forma de irrigação, com lâminas permanentes, evita a formação de ervas daninhas e, por isso, exige menor uso de agroquímicos. Assim, controla o arroz vermelho – um inço, terror dos arrozeiros -, dispensando agrotóxicos e mantendo a terra fértil. “Com esse método implantado,
conseguimos reduzir o uso de defensivos em aproximadamente em 45% e o de fertilizantes químicos, em 30%”, compara.

Para o técnico agrícola Danilo Mielczarski, conhecedor da técnica e das lavouras da região, esse modelo tem ganhos que vão além da sustentabilidade. Ele avalia como uma boa alternativa para o desafio da segurança alimentar: em tempos com inflação elevada, o arroz pré-germinado ajuda na redução dos custos para o consumidor e no abastecimento da população.

Como tudo começou

Hanus começou a trabalhar com pré-germinado no sul de Santa Catarina, onde nasceu, e foi um dos primeiros a trazê-lo para território gaúcho. Transferiu-se há quase 25 anos, em 1998, em busca de melhores oportunidades. Desde então, a adoção desse sistema se expandiu no Estado responsável por 70% da produção nacional, mas ainda representa uma fatia pequena em comparação ao convencional: em torno de 10%.

A limitação de irrigação na propriedade de sua família, no sul catarinense, forjou um produtor que hoje, mesmo a poucos metros do Rio Caí, mantém a virtude de aproveitar a chuva. “Fico doente quando vejo desperdício de água”, diz. O pré-germinado, com o manejo que desenvolveu, dá mais trabalho, reconhece Hanus, além de exigir maior investimento inicial. “Mas a nivelação do terreno, por exemplo, você só faz uma vez”, observa. “É um projeto caro, mas a longo prazo se paga e, o mais importante, preserva a água.”

Além do ganho em sustentabilidade, há o de produtividade. A média no Rio Grande do Sul hoje é em torno de 9 toneladas por hectare, tornando o Estado um case mundial. Na lavoura de João Hanus, o desempenho é ainda melhor, atingindo uma produtividade um terço acima da média: 12 toneladas por hectare, e consumindo muito menos água.

Sobre a Granja Nenê

Localizada em Nova Santa Rita (RS), a cerca de 30 quilômetros de Porto Alegre, a Granja Nenê é uma fazenda centenária, uma das precursoras do plantio de arroz no Rio Grande do Sul. Na última década, consolidou, com a lavoura de João Hanus, um plantio pelo sistema pré-germinado que chega a produzir 12 mil quilos por hectare, um terço a mais do que a produtividade média no Estado responsável por sete em cada 10 quilos de arroz que abastecem a mesa dos brasileiros.

Além disso, verifique

Multa ambiental da CETESB de R$ 48 mil por aterro irregular é confirmada pelo TJSP

A 2ª Câmara Reservada ao Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *