segunda-feira , 16 outubro 2017
Home / Notícias / Comissão aprova estímulo a programas de consumo sustentável

Comissão aprova estímulo a programas de consumo sustentável

 

22/08/2012 18:44

 

 

 
Dep. Antônio Roberto (PV-MG)
Antônio Roberto ampliou os objetivos da Política Nacional de Educação Ambiental.

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou na quarta-feira (22) proposta que inclui, entre os objetivos da Política Nacional de Educação Ambiental, o estímulo à realização de programas de conscientização para o consumo sustentável.

Atualmente, a lei que estabelece essa política (9.795/99) determina que o Poder Público, em todos os níveis, incentive:

– a difusão, por intermédio dos meios de comunicação de massa, em espaços nobres, de programas e campanhas educativas, e de informações acerca de temas relacionados ao meio ambiente;

– a ampla participação da escola, da universidade e de organizações não governamentais na formulação e execução de programas e atividades vinculadas à educação ambiental não formal;

– a participação de empresas públicas e privadas no desenvolvimento de programas de educação ambiental em parceria com a escola, a universidade e as organizações não governamentais;

– a sensibilização da sociedade para a importância das unidades de conservação;

– a sensibilização ambiental das populações tradicionais ligadas às unidades de conservação;

– a sensibilização ambiental dos agricultores; e

– o ecoturismo.

A proposta, aprovada na forma do substitutivo do deputado Antônio Roberto (PV-MG) ao Projeto de Lei 537/11, do deputado Thiago Peixoto (PSD-GO), incluiu o estímulo a programas de conscientização para o consumo sustentável entre essas diretrizes.

O projeto original cria o Programa de Conscientização sobre Consumo Sustentável. O objetivo do programa, segundo Peixoto, é “despertar nos cidadãos o conhecimento sobre os limites da capacidade de provisão dos ecossistemas”.

O relator na comissão considera que a mudança dos atuais padrões de consumo é um dos “desafios para que alcancemos, de fato, o tão almejado e propalado desenvolvimento sustentável”. Ele justificou sua opção por incluir a proposta na Política Nacional de Educação Ambiental por acreditar que ela seja “o diploma adequado para inserir essas medidas”.

Tramitação
A proposta tramita em caráter conclusivo e ainda será analisada pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Rodrigo Bittar 
Edição – Daniella Cronemberger

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara de Notícias'
 

 
 

Além disso, verifique

direito-ambiental-thumb-45

Edificação e benfeitoria ilegal em área de unidade de conservação não gera direito à indenização pelo Poder Público

“A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) manteve sentença da 21ª ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *