quinta-feira , 30 maio 2024
Home / Notícias / Comissão da Câmara pode votar parecer sobre regulamentação do hidrogênio verde

Comissão da Câmara pode votar parecer sobre regulamentação do hidrogênio verde

Por André Martins para EXAME.

Considerado o combustível do futuro, o hidrogênio é utilizado para produzir energia e poder ser obtido de diferentes formas

Unidade piloto de produção de hidrogênio da EDP no Brasil: tudo conspira para o desenvolvimento desse mercado (EDP/Divulgação)

A Comissão Especial da Transição Energética e Produção de Hidrogênio Verde da Câmara dos Deputados deve votar, o parecer do relator, o deputado Bacelar (PV-BA), sobre a regulamentação do hidrogênio verde no Brasil. O Marco Legal do Hidrogênio de Baixo Carbono trata de governança, certificação, taxonomia e incentivos para o setor.

Considerado o combustível do futuro, o hidrogênio é utilizado para produzir energia e poder ser obtido de diferentes formas. Ele é considerado estratégico no esforço mundial de redução das emissões de gases poluentes em meio as mudanças climáticas. O hidrogênio verde é gerado por fontes renováveis de energia.

O texto propõe a criação do Programa de Desenvolvimento do Hidrogênio de Baixo Carbono (PHBC), que vai incluir o produto na matriz energética brasileira, com o aproveitamento racional da infraestrutura existente e o apoio à pesquisa.

A proposta trata ainda do Regime Especial de Incentivos para a Produção de Hidrogênio de Baixo Carbono, batizado de Rehidro. Segundo Bacelar, os incentivos serão proporcionais à quantidade de emissões evitadas, envolve desonerações com despesas de capital (Capex) e operacionais (Opex) e poderão ser usados por empresas e zonas de processamento de exportação (ZPEs). O relator definiu cinco pilares para os incentivos, como:

  • desoneração de Capex para produtores de hidrogênio e atividades acessórias, inclusive geração de energia elétrica;
  • desoneração de Opex para produtoras de hidrogênio;
  • desoneração da Cide-Remessas;
  • incentivos de Imposto de Renda e Contribuição sobre Lucro Líquido;
  • emissão de debêntures incentivadas.

A governança do setor ficará sob responsabilidade da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). As autorizações de produção já existentes serão mantidas. O relator sugeriu também a adoção do chamado sandbox, que seria a possibilidade de flexibilidade regulatória caso novas formas de produção surjam. A ideia é diminuir processos burocráticos.

Certificação do hidrogênio (hidrogênio verde no Brasil)
O texto determina várias ações ao Programa Nacional de Hidrogênio (PNH2), que já existe no âmbito do Executivo. O comitê gestor do programa terá, por exemplo, a competência adicional de definir as diretrizes de certificação do hidrogênio de baixo carbono, com participação de representantes do setor produtivo, da comunidade científica e dos estados. As certificadoras serão credenciadas pela ANP, que deverá exigir transparência na emissão dos certificados de produção de baixo carbono.

A proposta de Bacelar ainda inclui a produção do hidrogênio na lista de prioridades para outorga do uso da água, como já acontece nos casos de água para consumo humano e para matar a sede (dessedentação) dos animais. Porém, proíbe a outorga em regiões com conflito em torno do uso de água.

André Martins Repórter de Brasil e Economia, Formado na Universidade Anhembi Morumbi, com passagem pelo mercado financeiro, está na Exame desde 2020. Apresentador do Exame Agora.André Martins
Repórter de Brasil e Economia, Formado na Universidade Anhembi Morumbi, com passagem pelo mercado financeiro, está na Exame desde 2020. Apresentador do Exame Agora.

 

LinkedIn André Martins 

 

 

 

 

Fonte: Exame.

Gostou do conteúdo? Então siga-nos no FacebookInstagram e acompanhe o nosso blog! Para receber notícias ambientais em seu celular, clique aqui.

Leia também:

Truda Palazzo recebe prêmio de entidade internacional de proteção aos animais

STJ define que comprador de imóvel rural também responde pelo dano ambiental

Comissão de Assuntos Jurídicos se reúne na 46ª Expointer

Além disso, verifique

Javalis atacam lavouras

Javalis atacam lavouras de arroz e soja no Rio Grande do Sul

Os ataques acontecem em lavouras de arroz, que foram semeadas no tarde, em novembro e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *