segunda-feira , 24 fevereiro 2020
Home / Julgados / Cetesb: Aumento da taxa de licenciamento ambiental de São Paulo é declarado ilegal

Cetesb: Aumento da taxa de licenciamento ambiental de São Paulo é declarado ilegal

O Decreto n. 64.512/19, que entrou em vigor em novembro passado, alterou a forma de cálculo da taxa para obtenção da licença ambiental. O novo critério gerou aumento da taxa cobrada pela CETESB, órgão ambiental paulista. Segundo a Justiça, o valor deve ser reduzido.

Assim, a matéria foi levada ao judiciário pelos sindicatos interessados e 2ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo concedeu decisão favorável ao pedido para reconhecer “a ilegalidade do Decreto nº 64.512/2019, na parte em que cuida do cálculo do preço pelo serviço (licenciamento, renovações, etc), determinando que, para fins de cálculo do valor a ser pago, sejam adotados os critérios estabelecidos no Decreto nº. 47.400/2002.” Abaixo constam os links para decisão e os citados decretos.

 

Princípio da legalidade

Segundo o magistrado da causa, Dr. Marcelo Sergio, “diante da natureza tributária da remuneração, o princípio da estrita legalidade obriga que a lei instituidora do tributo defina a base de cálculo, a respectiva alíquota, a identificação do sujeito passivo, não sendo possível que haja delegação para definição da base material do tributo a critério da Administração.”

Desta forma, resta claro que o critério de parametrização da taxa de licenciamento ambiental deve possuir previsão legal, descabendo sua alteração mediante delegação à legislação infralegal ou mesmo ato administrativo, de sua base de cálculo ou critérios materiais que tenham por finalidade modificar o cálculo do tributo.

 

Em geral, as taxas são mal calculadas

A despeito do assunto, para o advogado Maurício Fernandes “as taxas de licenciamento ambiental são mal definidas pelos órgãos ambientais, pois deveriam refletir o ressarcimento do curso operacional daquele processo administrativo de licenciamento e não valores aleatórios e dissociados com a Constituição Federal.”

Com efeito, para o advogado, o art. 145, II da Constituição previu duas possibilidades para instituição, pelo poder público e via lei, de taxas: (i) “em razão do exercício do poder de polícia”, que é o caso da TCFA; ou (ii) “pela utilização, efetiva ou potencial, de serviços públicos específicos e divisíveis, prestados ao contribuinte ou postos a sua disposição”, que seria o caso da Taxa de Licenciamento Ambiental. Entretanto, embora divisível, o serviço é cobrado através de tabelas que buscam ressarcir as despesas do órgão.

Sidicalizados se beneficiarão

Da decisão, cabe recurso e somente os sócios dos sindicatos se beneficiam.

  • Processo nº 1070469-31.2019.8.26.0053
  • Autores:

Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo Campinas e Região – Recap, Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Abcdmrr – Regran, Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo, Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Lava-rápido e Estacionamento de Santos-sindicombustíveis Resan e Sindicato Nacional do Comércio Transportador, Revendedor, Retalhista de Combustíveis – Sinditrr

  • Advogados:

Carolina Dutra 
Gustavo Moura Tavares 
Edison Gonzales 

  • Réu:

CETESB COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

 

Além disso, verifique

Justiça de Goiás determina desativação de barragem da mineradora de ouro AngloGold Ashanti

Mineradora de ouro AngloGold Ashanti, situada em Crixás/GO, possui barragem construída e alteada pelo método …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *