quarta-feira , 6 julho 2022
Home / Notícias / Câmara dos Deputados: Lojas poderão ter que manter recipiente para coleta de baterias usadas

Câmara dos Deputados: Lojas poderão ter que manter recipiente para coleta de baterias usadas

 

A Câmara analisa o Projeto de Lei 3551/12, do deputado Vanderlei Siraque (PT-SP), que obriga os estabelecimentos que comercializam pilhas e baterias que contenham em suas composições chumbo, cádmio, mercúrio e seus compostos a manter, em local visível, recipientes apropriados para sua coleta.

De acordo com a proposta, os fabricantes e importadores de pilhas e baterias deverão recolher, periodicamente, os produtos usados depositados nos estabelecimentos comerciais.

Os fabricantes e importadores deverão estabelecer mecanismos também para o acondicionamento, reprocessamento, reciclagem e disposição final das pilhas e baterias usadas, de acordo com as normas técnicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Será proibida a disposição dos produtos em depósitos públicos ou sua incineração.

Conforme o texto, os estabelecimentos que comercializam esses produtos serão obrigados ainda a advertir os consumidores sobre os riscos que as baterias oferecem à saúde humana e ao meio ambiente. Estes chamados "lixos especiais" têm alto poder de contaminação de solos, rios, nascentes e alimentos.

Penalidades
Segundo a proposta, os estabelecimentos comerciais que descumprirem as regras receberão multa de 200 Ufirs (Unidades Fiscais de Referência) na primeira infração e de 400 Ufirs na reincidência.

Já a multa para os fabricantes ou importadoras que descumprirem as normas será de 500 Ufirs na primeira infração e de 1 mil Ufirs na reincidência.

O projeto estabelece prazo de 90 dias, a contar da publicação da lei, para o Poder Executivo regulamentar a lei e prazo de 180 dias para os estabelecimentos comerciais, fabricantes ou importadores se adaptarem à lei.

Lei atual
A Lei 12.305/10, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, já obriga os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de pilhas e baterias a estruturar e implementar os chamados “sistemas de logística reversa” para retorno dos produtos após o uso pelo consumidor, de forma independente do serviço público de limpeza urbana.

Porém, segundo o autor do PL 3551/12, até hoje as atitudes são esporádicas, espaçadas e não educativas. “Pretendo, com a apresentação do projeto, chamar a discussão sobre o tema que ainda continua sendo motivo de subterfúgios, livrando impunemente os maus empresários e postergando o direito ao usuário de acesso à qualidade de vida plena”, disse.

Tramitação
A proposta foi apensada ao PL 2045/11, do deputado Penna (PV-SP), que já foi aprovado na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio. Ambos ainda serão analisados pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; e de Constituição e Justiça e de Cidadania, antes de seguir para votação no Plenário.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Lara Haje 
Edição- Mariana Monteiro

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara de Notícias'

 

Além disso, verifique

Município tem 120 dias para implantar programa de moradia em ocupação irregular

“O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) manteve sentença que condenou o Município de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *