domingo , 3 dezembro 2023
Home / Notícias / Justiça Federal do RS determina pagamento de R$ 1,5 milhão por plantio em área de preservação

Justiça Federal do RS determina pagamento de R$ 1,5 milhão por plantio em área de preservação

A Vara Federal de Caxias do Sul (RS) condenou um proprietário de terras da serra gaúcha pelo plantio indevido de uma espécie exótica em área de preservação ambiental. De acordo com a sentença, publicada ontem (10/9), o réu terá que pagar indenização no valor de R$ 1,5 milhão e apresentar, no prazo de 30 dias, Plano de Recuperação e Reversão do dano causado.

Segundo o IBAMA, autor da ação, o réu teria plantado 52,4 hectaresde pinus elliotti em área de sua propriedade, situada dentro do Parque Nacional da Serra Geral. O instituto classificou a prática como “poluição biológica”, pois a introdução de espécies que não fazem parte do ecossistema local acarretaria mudanças em seu funcionamento. Mencionou, ainda, que o cultivo da planta é proibido mesmo fora dos limites do parque. Além do projeto para recuperação da área atingida, o autor pleiteou o pagamento de danos morais e materiais, que seria revertido em equipamentos para melhoria da atividade de fiscalização.

Fotolia_Segundo o IBAMA, o plantio da espécie exótica causa alterações no ecossistema

Em sua defesa, o proprietário das terras alegou não constar na escritura pública do imóvel a informação de que a área está situada em zona de amortecimento, defendendo, ainda, a relevância da prática do reflorestamento para o desenvolvimento econômico e social. Argumentou, também, que o dano ambiental não teria sido consumado, pois as árvores plantadas ainda não teriam atingido a idade de florescimento e reprodução. Segundo ele, os agentes de fiscalização do parque teriam, inclusive, facilitado o plantio, abrindo uma cerca que existia no local para viabilizar a passagem do trator.  

Para a juíza Lenise Kleinübing Gregol, a documentação juntada ao processo comprova a prática ilícita.  Entre os danos apontados na perícia, estão erosão, drenagem de banhado e contaminação do ecossistema.

Em sua decisão, a magistrada destaca que os parques nacionais, “são espaços territoriais em que se objetiva a manutenção dos ecossistemas livres de alterações causadas por intervenção antrópica, ou seja, não é lícita a exploração dos recursos naturais nestes locais”.

Lenise julgou parcialmente procedente o pedido, condenando o réu ao pagamento de R$ 1,5 milhão a ser revertido, após atualização, ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos. A sentença também determina a apresentação, no prazo de trinta dias e sob pena de multa diária de R$1 mil, o Plano de Recuperação e Reversão do dano ambiental ocasionado, elaborado por profissional habilitado e aprovado do IBAMA.

 Cabe recurso ao TRF4.

 AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 2008.71.07.002207-3/RS

Extraído de: http://www2.jfrs.jus.br/?p=8512

Além disso, verifique

vComissão da Câmara pode votar parecer sobre regulamentação do hidrogênio verde

Comissão da Câmara pode votar parecer sobre regulamentação do hidrogênio verde

Por André Martins para EXAME. Considerado o combustível do futuro, o hidrogênio é utilizado para …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *