segunda-feira , 16 outubro 2017
Home / Notícias / Vídeo dá orientações para prevenir tragédias na temporada de chuvas

Vídeo dá orientações para prevenir tragédias na temporada de chuvas

 

Depois da chuva que matou seis pessoas em 2011 em Mauá, na grande São Paulo, geólogos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas foram para frente das câmeras.

 

 

Um vídeo lançado na internet pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo (IPT) pode ajudar a evitar tragédias comuns na temporada de chuvas.



O planejamento passou longe e o perigo está sempre por perto. A fachada de pedra é só fachada. A lona que Luciano instalou reveste o barraco, mas não o protege de nada.

“Risco, mas é o jeito né? É melhor que estar pagando aluguel”, diz ele.

A casa do vizinho, na zona norte de São Paulo, foi erguida em cima de um aterro.

“A gente observa aqui um ursinho de pelúcia, uma garrafa pet, lona plástica preta, com grande possibilidade de escorregar e atingir as moradias que estão abaixo dele”, aponta o géologo do IPT Marcelo Gramani.

É o que acontece a cada verão no Brasil. Depois da chuva que matou seis pessoas em 2011 em Mauá, na grande São Paulo, geólogos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas foram para frente das câmeras.

O vídeo do IPT mostra como surgem algumas áreas de risco, os barracos são construídos primeiro em baixo e depois vão ocupando os morros, e dá dicas para evitar novas tragédias.

“Não faça cortes tão altos e inclinados no seu terreno, afaste a casa o máximo possível do barranco. Não jogue a água e o esgoto no seu terreno e no terreno do vizinho”, orienta a mídia.

A principal causa dos deslizamentos é a água, que vai se infiltrando no solo. E muitas vezes nem é preciso um temporal. Uma chuva não muito forte já pode provocar um desmoronamento de terra, se o solo estiver encharcado por causa de um vazamento, como os que vemos água jorrando o dia inteiro.

Árvores e postes inclinados podem indicar movimentação de terra. Outros sinais de perigo são trincas e rachaduras. E quem diria, a árvore que produz a fruta mais popular no Brasil não deve ser plantada nos morros.

“A bananeira na verdade forma um funil. As folhas dela captam a água, desce pelo caule, embaixo essa água se junta e encharca o solo. Encharcando o solo facilita com que ele deslize”, explica o geólogo do IPT Fabrício Mirandola.

Uma surpresa para os moradores de uma área ocupada, que se identificaram com o que viram.

“Eu e meus filhos moramos aqui. A gente corre perigo”, fala uma mulher.

“Em época de chuva, se você perceber que sua casa está em risco, chame a Defesa Civil e saia imediatamente”, ensina o vídeo do IPT.

“Tem que sair rápido. A vida é mais importante”, afirma uma mulher.

 

Veja aqui o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=bhKWHx08jFA&feature=player_embedded

 

 

 

Fonte: Jornal Nacional: Edição do dia 13/08/2012

 

 

 

Além disso, verifique

direito-ambiental-thumb-45

Edificação e benfeitoria ilegal em área de unidade de conservação não gera direito à indenização pelo Poder Público

“A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) manteve sentença da 21ª ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *