terça-feira , 26 setembro 2017
Home / Notícias / Tribunal Paraibano decide manter multa no valor de R$ 162,6 mil imposta à Cimpor por poluir o meio ambiente

Tribunal Paraibano decide manter multa no valor de R$ 162,6 mil imposta à Cimpor por poluir o meio ambiente

 

A Cimpor Cimentos do Brasil, empresa instalada no bairro da Ilha do Bispo, em João Pessoa, terá que pagar multa no valor de R$ 162,6 mil à Secretaria Executiva de Meio Ambiente (Semam), por descumprimento à legislação ambiental. Foi este o entendimento da Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba, ao acompanhar, por unanimidade, o voto da desembargadora-relatora Maria de Fátima Bezerra Cavalcanti, que negou provimento ao recurso apelatório interposto pela empresa. A Apelação Cível (nº 200.2009.039239-6/001) foi julgada durante sessão ordinária na manhã desta terça-feira (28).

 

De acordo com o processo, a empresa-apelada foi multada pela Semam, por emitir na atmosfera, através de arraste eólico (ação do vento), poeira oriunda do processo de produção de cimento em desacordo com normas e legislação em vigor. Inconformada, a Cimpor entrou com uma Ação Declaratória de Rito Ordinário, objetivando a declaração de nulidade do auto de infração (nº 2007/000210) e multa, e contra decisão do juízo de primeiro grau, que havia decidido pela  legalidade do procedimento administrativo que culminou com a punição.

 

Em seu voto, a desembargadora Maria de Fátima Bezerra, além de invocar jurisprudência dos Tribunais Superiores, utilizou a Lei 6.931/81 [nota do editor: 6.938/81], que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, bem como a Carta Magna vigente.

 

“A Constituição de 1988 prevê a possibilidade de responsabilização do poluidor, em decorrência do mesmo dando ambiental, nas esferas penal, administrativa e civil. Desta forma, em consonância ao parágrafo 3º do artigo 225, as condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente podem sujeitar os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, simultaneamente, a sanções, independentemente da obrigação de reparar os danos causados”, asseverou a magistrada.

 

Ilegitimidade – Ao propôr a Ação Declaratória, a Cimpor suscitou, também, a incompetência do Município de João Pessoa em editar normas ambientais e proceder a fiscalização ambiental de uma atividade licenciada por outro ente federado. No entanto, mantendo entendimento do juiz sentenciante, a desembargadora Maria de Fátima Bezerra afirmou não assistir razão à empresa-apelada.

 

“Ressalta-se que a Prefeitura Municipal de João Pessoa, através da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, ao lavrar auto de fnfração, agiu munida das prerrogativas conferidas à Administração Pública, dentre as quais se destacam a presunção de legitimidade e o poder de polícia”, concluiu.

 

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba

Além disso, verifique

Direito-Ambiental-thumb-88

TRF1 determina demolição de barragem construída irregularmente em área de preservação permanente na região da Serra da Canastra

“A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) determinou que a barragem ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *