terça-feira , 26 setembro 2017
Home / Notícias / TJRJ – Justiça anula decreto que criou ‘Zona de Preservação Paisagística e Ambiental’ no Rio

TJRJ – Justiça anula decreto que criou ‘Zona de Preservação Paisagística e Ambiental’ no Rio

 

 

A 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio anulou na terça-feira, dia 11, o Decreto nº 35.507/2012, que criou a Zona de Preservação Paisagística e Ambiental – ZPPA-1 do Município do Rio de Janeiro. Com isso, o prefeito Eduardo Paes, autor do ato, está proibido de revogar autorizações para exibição de publicidade ou retirar outdoors da cidade.

 

O relator do processo, desembargador Celso Ferreira Filho, considerou que houve vício de ilegalidade, uma vez que matérias sobre zoneamento urbano e proteção do bem paisagístico da cidade devem ser  discutidos através de um processo legislativo, cabendo ao Poder Executivo apenas a sua regulamentação, como prevê a Lei Orgânica do Município.

 

“Basta que façamos uma leitura atenta desse estatuto legal (Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro) para vermos que ali ficou muito bem definida a competência do Poder Legislativo em matérias que envolvam a criação e modificação do zoneamento urbano”, disse. Segundo ele, a relevância do tema, por interessar diretamente a toda coletividade, necessitaria “ser discutido através de um processo legislativo eficaz e abrangente”.

 

Para o desembargador, o prefeito Eduardo Paes, ao editar o decreto com a finalidade de  valorizar a paisagem urbana e ordenar a exibição de publicidade, estava preocupado com o interesse público, mas isso não é o bastante. “Faz-se mister que a atuação se dê na rigorosa esfera de sua competência”, ponderou.

 

O desembargador lembrou ainda que o chefe do Executivo está sujeito a restrições no seu poder de administração, por força do princípio da legalidade e que choque de ordem sem observar este  princípio é “choque de desordem”.

 

 “A elogiável filosofia professada pela digna autoridade coatora, ao criar o chamado choque de ordem, visava, como visa, combater a ilegalidade e as infrações administrativas que realmente grassavam aos quatro cantos do município, a exigir rigorosa disciplina. Todavia, quando o choque de ordem é feito sem observância ao princípio da legalidade, que dá suporte ao administrador, passa então a configurar um choque de desordem, concluiu o magistrado.

 

O mandado de segurança foi impetrado pelo Sindicato das Empresas de Publicidade Exterior do Estado do Rio (Sepex/RJ) contra o prefeito municipal Eduardo Paes. A decisão foi unânime.

 

 Processo nº00024628-34.2012.8.19.0000

 

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

 

 

Nota do editor: Vitória da mídia exterior no RJ. Será que realmente o Prefeito do RJ queria vedar a publicidade? Ou fez por Decreto para garantir a fragilidade jurídica mesmo?

 

Outdoor retirado em 2012 pela prefeitura do RJ (fonte: UOL):

Além disso, verifique

Direito-Ambiental-thumb-88

TRF1 determina demolição de barragem construída irregularmente em área de preservação permanente na região da Serra da Canastra

“A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) determinou que a barragem ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *