terça-feira , 26 setembro 2017
Home / Notícias / Promotoria contesta construção em Área de Preservação Permanente

Promotoria contesta construção em Área de Preservação Permanente

A Promotoria de Justiça de São João do Ivaí (região Norte do Estado) ajuizou ação civil pública ambiental contra o município e Haroldo Bernini, parente do ex-prefeito de São João do Ivaí, pela construção de uma residência e benfeitorias em Área de Preservação Permanente, localizada à margem do Rio Ivaí.

O Ministério Público relata que, em junho de 2009, a Força Verde da Polícia Militar do Paraná comunicou à Promotoria que Haroldo Bernini havia praticado, em tese, crime previsto na Lei 9.605/1998, ao realizar edificação em área de preservação. Na ocasião, foi lavrado boletim de ocorrência e auto de infração administrativa. De acordo com o auto lavrado pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP), o requerido edificou uma casa e benfeitorias (área de lazer, cercas, passeios e fossa sanitária), na Área de Preservação Permanente, impedindo a regeneração de mata nativa, em perímetro equivalente a um décimo de hectare. Foi então realizado o embargo administrativo da obra. Em sua defesa, Haroldo Bernini alegou que a casa foi edificada em 1985 e que, desde então, estabeleceu residência no local. Diante disso, requereu que a autuação fosse julgada improcedente. A defesa foi rechaçada pelo IAP, que manteve o embargo da obra.

O promotor de Justiça responsável pela ação, Hugo Evo Magro Corrêa Urbano, aponta que, em julho passado, o MP-PR, em processo criminal contra o requerido, em virtude da construção irregular, requisitou informações ao IAP sobre a situação da área e se os danos provocados ao meio ambiente já haviam sido reparados. “Para a surpresa de todos, de acordo com relatório datado de 16 de agosto de 2012 (Ofício nº 366/IAP), o Sr. Haroldo Bernini, descumprindo o embargo realizado no ano de 2009, concluiu as obras de edificação do imóvel, com o término da cobertura e da pintura, passando a utilizar a área para seu lazer e deleite”, sustenta o Promotor de Justiça, em trecho da ação.

Área protegida – De acordo com o artigo 3º, inciso II, do Código Florestal (Lei 12.651/2012), considera-se Área de Preservação Permanente, a “área protegida, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas”.

O Rio Ivaí tem largura variável entre cinquenta a duzentos metros. Diante disso, a área obrigatória de preservação permanente em suas margens é de cem metros, conforme previsto no Código Florestal. O Promotor aponta que, segundo o croqui elaborado pelo IAP, a distância entre a casa construída por Haroldo Bernini do leito do rio é de apenas trinta e cinco metros. “Considerando-se a borda da margem do rio, a distância é ainda menor, representando dez metros de distância, o que demonstra sua notória ilegalidade e lesividade ao meio ambiente”.

“Note-se que toda a obra realizada pelo Sr. Haroldo Bernini ocorreu com a conivência do Município de São João do Ivaí, que não cumpriu com seu dever constitucional de fiscalização e não impediu que ele edificasse em Área de Preservação Permanente”, acrescenta a Promotoria, destacando que, no ano passado, o requerido “não só concluiu as obras embargadas, como foi mais adiante, ampliando-as”, destaca a Promotoria. As apurações do MP apontam que foi construído muro de arrimo, com pneus usados, para nivelamento do terreno, sem os necessários projetos técnicos e licenciamento ambiental – o que, de qualquer modo, seria proibido, por se tratar de área de preservação.

O MP-PR requer à Justiça a condenação de Bernini e do município, pelos danos ambientais. Pede ainda que cesse a atividade degradadora, com a paralisação imediata de corte da vegetação e a reparação do dano, por meio do plantio de mudas de plantas nativas. Com o objetivo de elencar provas, a Promotoria requer vistoria do IAP no local, para verificar a natureza das construções na referida área, se há rede elétrica, água encanada, esgoto, se existe fossa perto do leito do rio, entre outras questões.

Inquérito – Além da ação, protocolada no dia 6 de fevereiro e que aguarda decisão na Justiça da Comarca, a Promotoria abriu inquérito para apurar a situação de outras vinte casas em situação similar, às margens do Rio Ivaí.

Fonte: Ministério Público do Paraná

Além disso, verifique

Direito-Ambiental-thumb-88

TRF1 determina demolição de barragem construída irregularmente em área de preservação permanente na região da Serra da Canastra

“A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) determinou que a barragem ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *