quinta-feira , 27 julho 2017
Home / Notícias / Desastre socioambiental de Mariana: MPF vai acionar órgãos públicos omissos pelo desastre

Desastre socioambiental de Mariana: MPF vai acionar órgãos públicos omissos pelo desastre

“As primeiras ações civis contra os possíveis responsáveis pelo rompimento da barragem da Samarco em Mariana (MG) serão direcionadas a órgãos do poder público.

O despejo da lama com resíduos de mineração, ocorrido em 5 de novembro, provocou um dos maiores desastres ambientais do país e a morte de 19 pessoas.

Um dos alvos é o DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral), entidade federal que, segundo a investigação, não cumpriu sua função de fiscalizar adequadamente a barragem.

Como antecipado pela Folha, documentos exigidos no licenciamento estavam incompletos ou previam um menor potencial de destruição em caso de um desastre.

O plano de emergência do reservatório de Fundão, por exemplo, que deveria explicitar as ações imediatas e as pessoas que precisavam ser avisadas em caso de incidente, não incluía estratégia de alerta a moradores de Bento Rodrigues – vilarejo que foi destruído pela lama.

Já análises de um possível rompimento da estrutura não levavam em conta que a lama chegasse até o rio Doce os rejeitos percorreram 500 km de rios e alcançaram o litoral do Espírito Santo.

‘Ficou patenteado para além da evidência, mas por documentos e depoimentos, que era um faz de conta de controle, tanto por parte do Estado [Minas], do órgão licenciador [a Secretaria de Meio Ambiente], quanto do DNPM’, afirma José Adércio Leite Sampaio, coordenador do grupo do Ministério Público Federal que apura o caso.

O procurador classifica o processo de fiscalização de “ticagem” embora os documentos fossem apresentados, seu conteúdo não era conferido pelo poder público.

O órgão estuda ainda a possibilidade de acionar o senador e ex- ministro Edison Lobão (Minas e Energia) por improbidade administrativa.

Segundo Sampaio, o ex-ministro foi alertado de que não havia estrutura no DNPM para a fiscalização adequada, mas “fez pouco caso”.

OUTRAS ESFERAS

No âmbito estadual, promotores devem demorar mais alguns meses para apresentar algo concreto.

Dizem ter sinais de que o licenciamento da barragem foi feito com pressa e que documentos essenciais para a liberação do reservatório não foram apresentados.

Nesta semana, eles têm ouvido representantes do Estado, da Samarco e de empresas que prestavam serviços à mineradora para identificar possíveis causas da ruptura.

A empresa é controlada pela Vale e pela BHP Billiton.

Já na esfera penal, foram indiciados sob suspeita de crime ambiental o presidente licenciado da Samarco, Ricardo Vescovi, e outros executivos da companhia.

Segundo Sampaio, a previsão é que as ações civis e criminais saiam na primeira quinzena de fevereiro.

OUTRO LADO

Procurados, o DNPM (vinculado ao Ministério de Minas e Energia) e ex-ministro Edison Lobão disseram que não iriam se manifestar.

O governo de Minas Gerais disse que os documentos solicitados no processo de licenciamento da barragem de Fundão, da Samarco, foram apresentados embora o Ministério Público afirme que os papéis não atendem ao que foi requisitado.

O subsecretário de Meio Ambiente de Minas Gerais, Geraldo Vitor de Abreu, afirma que a fiscalização cumpriu o que é determinado pela legislação, mas ressalva que ‘talvez as normas não sejam suficientes’.

Em nota, a Samarco, defende que ‘cumpriu todos os trâmites do licenciamento da barragem de Fundão’”.

Fonte: Folha/José Marques, 28.01.2016.

 

Veja ainda:

MPF questiona proposta de acordo judicial da União e estados com Samarco, Vale e BHP

Além disso, verifique

thumb-dmlu

Resíduos Sólidos – Lei 12.305/2010 – Política Nacional de Resíduos Sólidos – comentada artigo por artigo

A Advogada Telma Bartholomeu Silva acaba de lançar, pela Editora Nova Onda,  a obra “Resíduos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *