terça-feira , 25 julho 2017
Home / Cases de Sustentabilidade / Curitiba abre edital para implantar sistema de carro elétrico compartilhado

Curitiba abre edital para implantar sistema de carro elétrico compartilhado

Sistema prevê o transporte de milhares de passageiros por dia, reduzindo o número de veículos em ruas e avenidas e também a emissão de gases poluentes.

iStockphoto.com / Anthony Brown Iniciativa reduz trânsito na cidade e a emissão de poluentes.

O trânsito pesado do dia a dia é alvo de reclamação de 10 entre 10 pessoas que precisam se locomover nas grandes cidades, seja para chegar ao trabalho, seja para passear. Além deste aspecto nada positivo, outro ponto preocupante do tráfego de veículos é a poluição gerada pela queima de combustíveis fósseis de carros, motos, caminhões e ônibus em ruas e avenidas.

Mas será que é possível melhorar este cenário, tanto para as pessoas como para o meio ambiente? Em Curitiba, uma das capitais mais verdes do Brasil, a ideia é justamente esta.

A administração local lançou no final de 2015 um edital de chamamento público para criação e implementação de um sistema de compartilhamento de carros elétricos, chamado de car-sharing. Através de um PMI (Procedimento de Manifestação de Interesse) as pessoas poderão apresentar projetos e estudos técnicos mais aprofundados e concorrer à licitação durante 90 dias a partir da publicação do edital. A avaliação ocorrerá ao longo dos 45 dias seguintes. Faça o download do edital aqui.

Somente após a escolha do vencedor é que será definida a modalidade do contrato, PPP (parceria público-privada) ou concessão, sempre de acordo com a economicidade para a cidade, sendo decidido se, inclusive, será preciso algum aporte financeiro da Prefeitura.

“A ideia é dar acesso ao veículo sem a necessidade de ser proprietário. Os benefícios são os mesmos, mas sem os custos de manutenção de um carro particular. Trata-se do transporte público individual”, afirmou a vice-prefeita e gestora do “Projeto Ecoelétrico”, Mirian Gonçalves em notícia veiculada pela Prefeitura de Curitiba. Segunda ela, a iniciativa diminui o número de veículos em circulação nas áreas mais críticas da cidade e ainda minimiza os impactos de poluição sonora e atmosférica. Fábio Scatolin, secretário de Administração e Planejamento, é o gestor suplente do projeto.

Importante ressaltar que o projeto curitibano vai ao encontro da Política Nacional de Mobilidade. Segundo a lei a lei 12.587/2012, art. 4 – “transporte público individual: serviço remunerado de transporte de passageiros aberto ao público por intermédio de veículos de aluguel para a realização de viagens individualizadas”.

Projeto Ecoelétrico compartilhado em Curitiba

Um dos grandes diferenciais do edital para implantar um sistema de carro elétrico compartilhado na capital paranaense é que o projeto prevê a instalação de eletropostos, os famosos pontos de recargas, no município. Esta responsabilidade caberá à Prefeitura de Curitiba, assim como a criação de vagas especiais de estacionamento para os carros elétricos compartilhados. Outros critérios que deverão ser cumpridos:

• Comprovação de experiência com carros elétricos, com Parcerias Público-Privadas (PPPs) e concessões.
• Detalhamento do Plano de Trabalho e Ação e cronograma.
• Descrições técnicas dos veículos, eletropostos e demais equipamentos, assim como implantação de estações.
• Disponibilização do sistema à população e plano de divulgação.
• Relação da equipe técnica e experiência com projetos de Mobilidade Urbana.
• Preço do estudo.
• Período de exploração do serviço.
• Modelagem econômica; parceria público-privada ou concessão.

Como irá funcionar todo o sistema?

A premissa do carro elétrico compartilhado é possibilitar o uso facilitado ao menor preço para o cidadão. Para tal, o car-sharing deverá ser posicionado em pontos estratégicos de Curitiba, em estacionamentos específicos, de onde poderá ser alugado e devolvido. Em cada ponto de parada/saída haverá eletropostos para recarga da bateria. O cidadão poderá utilizar o carro elétrico compartilhado de Curitiba dentro de um prazo contratado (dia, semana, mês ou ano) com pagamento estabelecido por quilômetro rodado ou hora.

Quem tiver interesse deverá se inscrever (local ainda não definido) para receber um cartão magnético de recarga de créditos que será utilizado para acesso ao carro elétrico compartilhado. Haverá a possibilidade de a conta ser debitada em cartão de crédito. Além disso, o sistema prevê interligação com outros modais de transporte público do Curitiba.

A previsão é que em 2020 a integração dos elétricos compartilhados com outros modais de transporte público esteja em estado avançado. Hoje, o sistema de transporte elétrico (ainda não o compartilhado) de Curitiba é o maior do país e caminha para a conclusão do segundo ano de operação. Dentre os benefícios já alcançados, destaque as mais de dez toneladas de CO2 que foram poupadas ao longo deste período. Já foram realizados mais de 13 mil viagens e percorridos 80 mil quilômetros, tudo com a energia elétrica como fonte exclusiva. Confira mais em: www.ecoeletrico.curitiba.pr.gov.br

Vantagens do sistema de carro compartilhado

• Serão retirados entre sete e dez carros particulares de circulação ao “custo” de apenas um carro elétrico compartilhado.
• Todos os carros elétricos compartilhados serão 100% livres de combustíveis fósseis.
• Haverá interligação com o sistema de transporte público da cidade.
• Quantidade de veículos e de estações será determinada com base no interesse dos usuários (OD).
• Serviço funcionária 24 horas.
• Os carros elétricos compartilhados serão compactos, ocupando menos espaço nas ruas e avenidas de Curitiba.
• Congestionamento será reduzido, principalmente no centro da cidade.
• Haverá vagas exclusivas para entrada e saída de passageiros, assim como eletropostos para recarga elétrica.

Fonte da matéria: Pensamento Verde

Além disso, verifique

thumb_Reparação-

Pesquisadores da USP isolam bactéria presente em águas turvas e poluídas capaz de produzir plástico a partir do metano

Das águas turvas e poluídas do Sistema Estuarino de Santos pode emergir uma solução para ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *